Compre Bitcoin Carteira Blockchain

Europol : Membros do Grupo DD4BC que se dedica á Extorsão em troca de bitcoin Capturados

Europol : Membros do Grupo DD4BC que se dedica á Extorsão em troca de bitcoin Capturados submitted by jornalbitcoin to CryptoPortugal [link] [comments]

Há algum serviço de confiança que envie TEDs em troca de bitcoins?

Olá!
Eu já encontrei serviços que permitem o pagamento de boletos via bitcoins, mas agora eu queria enviar uma TED. Alguém conhece algum serviço de confiança que faça isso?
Obrigado!
submitted by caveden to BrasilBitcoin [link] [comments]

Maior site para troca de bitcoins some com mais de US$ 300 milhões

Maior site para troca de bitcoins some com mais de US$ 300 milhões submitted by allex2501 to BrasilBitcoin [link] [comments]

Paulo Guedes quer perdoar dívida de R$ 1 bilhão de igrejas em troca de aprovação de imposto para Bitcoin e transações digitais

Paulo Guedes quer perdoar dívida de R$ 1 bilhão de igrejas em troca de aprovação de imposto para Bitcoin e transações digitais submitted by CompetitiveCellist6 to brasilivre [link] [comments]

/r/oBitcoin FAQ - Novatos por favor leiam

Bem vindo ao /oBitcoin FAQ fixada

O texto que se encontra aqui foi desenvolvido por Mtzrkov e outros em Github.com/btcbrdev/oBitcoin e está em domínio público para ser usado livremente por qualquer um.

O que é bitcoin?

Bitcoin (BTC ou XBT) é o primeiro e mais importante dinheiro eletrônico sem autoridade central, baseado numa tecnologia open-source inédita chamada Blockchain, que foi desenvolvida por Satoshi Nakamoto em janeiro de 2009. Essa tecnologia permite a criação de um "banco de dados" confiável P2P (ponto-a-ponto), o que abre caminho para muitos tipos de inovação, sendo uma delas o próprio bitcoin e outras como contratos descentralizados, por exemplo.
Nota: normalmente emprega-se "Bitcoin" em maiúsculo para se referir ao protocolo (baseado na tecnologia Blockchain) e em minúsculo "bitcoin" para se referir a uma unidade da moeda.
O Bitcoin, além de um bem digital, pode ser considerado também um sistema de pagamento, totalmente independente de qualquer sistema já existente, como cartões de crédito, Paypal, bancos e outros. Sua capacidade atual estimada é de 7 transações por segundo, mas essa capacidade pode ser aumentada com o passar do tempo se houver necessidade. Por ser puramente digital e distribuído, o Bitcoin funciona 24/7 e tem alcance mundial, além de ter locais especializados de troca pela moeda local (chamados exchange) nas principais cidades do mundo.
A segurança da rede do Bitcoin, ou seja, o que garante que não existirá um chamado "gasto duplo" do mesmo dinheiro, é o consenso da rede P2P feito pela validação das transações por parte dos mineradores. Para que um minerador consiga incluir um bloco válido na rede, ele precisa utilizar um grande poder computacional. O processo de mineração consiste na realização de cálculos matemáticos para a seleção de quais transações válidas serão incluídas no próximo novo bloco do Blockchain, excluindo aquelas que tiveram uma tentativa de "gasto duplo" naquele período. Cada nó da rede, além dos mineradores, também é capaz de verificar a validade das transações incluídas no bloco. É nesse processo também que aparecem os "bitcoins ainda não descobertos". A distribuição dos bitcoins é feita de forma previsível, tendo uma queda de recompensa pela metade de 4 em 4 anos. Serão encontrados no máximo 21 milhões de unidades da moeda.

Quanto vale um bitcoin?

O preço de mercado de um bitcoin é determinado através da lei da oferta e da procura, portanto estando sujeito a variações de preço por causa de acontecimentos políticos e econômicos (como desvalorização e inflação de moedas estatais, conflitos, maior demanda por Bitcoin etc).
Assim como nas moedas estatais, o preço do bitcoin varia e pode ser diferente dependendo do lugar em que for negociado.
Se você for comprar dólares no Brasil, você terá que procurar uma casa de câmbio que poderá ter a cotação de R$ 3,00 por dólar, por exemplo. Caso vá a outra casa de câmbio, você poderá notar que o preço poderá ser ligeiramente diferente, além das taxas também variarem. Com o Bitcoin não é diferente. Essa variação entre as exchanges (nome comumente usado para se refererir aos locais de compra e venda de bitcoin) são equilibradas pelo mercado através de operações de arbitragem (comprar num lugar mais barato e vender num mais caro).
Para se ter uma ideia do preço médio do bitcoin, você pode dar uma olhada em sites como os que seguem:
Para um gráfico do preço ao longo do tempo, acesse:

Volatilidade

Por ser uma moeda ainda muito recente (inventada em jan/2009) e ainda não muito utilizada, seu preço de mercado ainda é muito volátil. Isso faz do bitcoin um investimento de risco atualmente. O preço tende a ficar mais estável ao longo do tempo, quando o mercado puder definir com mais exatidão seu "preço real". As oscilações também tendem a diminuir conforme o seu market cap (quantidade de moedas x preço) aumentar. Hoje (2015) o market cap do bitcoin é de US$ 3 bi, o que pode ser considerado pouco se comparado ao valor de algumas empresas como a Dell (US$ 24 bi) ou ainda de outras commodities como o ouro (US$ 2.600 bi).
Para um gráfico da volatidade ao longo do tempo, acesse:

Como obter bitcoins?

O bitcoin é um bem digital e assim como outros bens, pode ser adquirido de diversas formas:

1. Negociação direta (P2P / pessoa a pessoa)

Uma das maneiras mais baratas de se negociar bitcoins, porque não tem taxas, é comprando diretamente de outras pessoas que já possuem a moeda. As duas partes chegam a um acordo de preço e a troca é feita. Geralmente quem tem menos reputação entrega o bitcoin ou a moeda local primeiro.
Por ser uma maneira relativamente arriscada, pois não há um mediador para casos de descumprimento de uma das partes, a reputação de alguém deve ser muito considerada. Exemplo: prefira negociar com alguém do seu círculo de amizades (rede de confiança), alguém que você confie muito como familiares e amigos, ou por uma indicação (amigo de amigo). Se a outra parte tem uma reputação duvidosa, prefira negociar aos poucos (divida os valores em várias partes menores e vá trocando aos poucos).
Algumas ferramentas auxiliam nesse processo de reputação e rede de confiança, sendo elas:

2. Negociação indireta (com intermediário)

Outra forma de se negociar bitcoins (e essa provavelmente é a maneira mais conveniente, embora não seja a mais barata) é utilizando um intermediário que viabilize a compra e venda de bitcoins entre pessoas interessadas. Esses intermediários são as "corretoras" ou "bolsas" de bitcoins (mais conhecidas por exchanges).
Essas corretoras fornecem um serviço de intermediação entre compradores e vendedores de bitcoin, cobrando uma taxa para tal. Por causa disso o bitcoin nas corretoras tem um preço final um pouco mais alto do que se fosse comprar de outras maneiras, mas devido ao altíssimo volume, uma operação pode ser realizada instantaneamente.
Além de usar exchanges, você também pode encontrar um intermediário na relação P2P, tornando-a mais segura. Exemplo: um amigo em comum, que pode levar uma comissão previamente combinada para intermediar as duas partes.
Você pode conferir uma lista de corretoras no ExchangeWar. Algumas das principais corretoras brasileiras são:

Onde gastar bitcoins?

Hoje é virtualmente possível gastar os bitcoins em qualquer lugar, usando algum intermediário para trocá-los imediatamente sob demanda por alguma moeda local, como numa exchange ou com serviços como Neteller, Xapo ou Gyft.
Alguns locais porém já aceitam a moeda digital diretamente, como é o caso da Microsoft, Dell e Overstock, além de inúmeras outras ao redor do mundo.
Confira uma lista com mais de 100 mil lugares que já aceitam diretamente o bitcoin em SpendBitcoins ou no CoinMap.
Segue algumas listas de locais que aceitam bitcoin no Brasil:

Como minerar bitcoins?

Para minerar bitcoins você precisa executar um software em um computador especializado (ASIC) que possa realizar uma grande quantidade de operações matemáticas demandada pelo sistema de consenso P2P do bitcoin.
Logo após a criação do Bitcoin em 2009, era possível e rentável minerar bitcoins utilizando o processamento de computadores pessoais (através de simples processadores e placas de vídeo), mas com o tempo essa atividade deixou de ser rentável e tornou-se praticamente impossível para tais máquinas. Isso aconteceu pois o interesse no Bitcoin aumentou muito, trazendo assim mais pessoas para a mineração e impulsionando uma corrida por maior quantidade de processamento. Com o avanço da tecnologia e o aumento do interesse por Bitcoin, mais poder de processamento foi adicionado à rede Bitcoin e isso resultou em um aumento da dificuldade para se encontrar novos Blocos.
Essa é uma característica do protocolo Bitcoin: quanto maior o poder de processamento da rede, maior a dificuldade para se minerar bitcoins - ou seja, maior a dificuldade para se descobrir novos Blocos. Um bloco é um arquivo que possui uma identificação (data, hora e informações genéricas) e um registro das transações (movimentação de bitcoins entre endereços) mais recentes. Resumidamente, os mineradores são uma forma de manter a rede Bitcoin segura e operante, algo que demanda muito poder de processamento (o que torna inviável o uso computadores de propósito geral para tal fim) e que, como retribuição por essa tarefa importante, gera uma recompensa em bitcoins pelo trabalho.
Todas as transações, ou seja, as movimentações em bitcoins realizadas entre endereços (carteiras), são anônimas pois se caracterizam como uma transferência de fundos de um endereço Bitcoin para outro, que, embora tenham relação indireta com pessoas reais, não possuem uma relação direta. Ou seja, não é possível dizer com absoluta certeza que determinada pessoa é detentora de um endereço a menos que ela diga isso em algum lugar - o que torna o Bitcoin algo pseudônimo, não anônimo (você é anônimo apenas se quiser e tiver conhecimentos para tal). Todas as transações da história da rede Bitcoin são públicas e podem ser conferidas em sites como o Blockchain Info.
Então...é impossível minerar hoje em dia num PC comum ou notebook? Sim, mas não é lucrativo. Para isso existem os ASICs (Circuitos Integrados de Aplicação Específica, em inglês Application Specific Integrated Circuits), hardwares específicos para mineração. Há uma lista na Bitcoin Wiki, em inglês, onde estão listados todos os ASICs disponíveis no mercado e também placas gráficas e processadores. É importante notar que embora seja possível minerar bitcoins, não é algo recomendado aos brasileiros, uma vez que o equipamento é caro, importado e possui taxas de importação - além da energia elétrica brasileira, que inviabiliza totalmente o processo.
Nota: Em processo de desenvolvimento: Guardando seus bitcoins e Ganhando bitcoins.

Unidades comuns do bitcoin

Unidade Abreviação Quantidade em bitcoin Uso Nome alternativo
Bitcoin BTC 1,00000000 Unidade básica, usada no client padrão. XBT
millibit mBTC 0,00100000 Padrão em diversos serviços. -
bit μBTC 0,00000100 Possível novo padrão a ser adotado. microbit
Satoshi - 0.00000001 Frequentemente usado para negociar altcoins, menor unidade possível. -

Comunidade brasileira

submitted by felipelalli to oBitcoin [link] [comments]

MARCHANGER -TROCA DE CRIPTOMOEDAS PARA PAYPAL, PAYEER,PERFECT MONEY E OUTRAS CRIPTOMOEDAS 😎😎🔥 - Dicas sobre Bitcoin - Ganhe rápido

MARCHANGER -TROCA DE CRIPTOMOEDAS PARA PAYPAL, PAYEER,PERFECT MONEY E OUTRAS CRIPTOMOEDAS 😎😎🔥 - Dicas sobre Bitcoin - Ganhe rápido submitted by infocryptocoins to CertificadoDigital [link] [comments]

XbtFreelancer

Oi pessoal! Vim trazer uma dica para vocês, o https://www.xbtfreelancer.com/ É um site onde podemos fazer Jobs em troca de Bitcoins, estou achando super otimo e da pra tirar uma grana já que mineração não valhe mais a pena no Brasil
submitted by IagoRigel to oBitcoin [link] [comments]

NOVADAX TROCA DE CRIPTOMOEDAS POR REAIS MUITO FÁCIL SÓ SEGUI AS DICAS - Dicas sobre Bitcoin - Ganhe rápido

NOVADAX TROCA DE CRIPTOMOEDAS POR REAIS MUITO FÁCIL SÓ SEGUI AS DICAS - Dicas sobre Bitcoin - Ganhe rápido submitted by infocryptocoins to CertificadoDigital [link] [comments]

O dinheiro do Futuro *Super Interessante

O dinheiro do futuroNada de euro, dólar ou bolsa. O fato econômico de 2011 que será lembrado daqui a 200 anos talvez seja outro: a crise do bitcoin, a moeda virtual sem pátria que causou uma febre financeira. E que pode mudar o mundo por Cristine Kist Pousadas na Itália, restaurantes em Nova York, voos de parapente na Croácia e calcinhas usadas em vários países (tem gosto pra tudo): todas essas coisas podem ser compradas com bitcoins, espécie de moeda virtual aceita por centenas de estabelecimentos do mundo todo. E como o euro só vale para fazer compras na União Europeia e a nakfa só é aceita nos armazéns da Eritreia, o bitcoin cria uma ideia relativamente inédita de país sem fronteiras.
Uma moeda (qualquer moeda, digital ou de latão) só tem valor se as pessoas confiarem nela. Se todo mundo acredita que um pedaço de papel azul estampado com um peixe da família dos serranídeos vale R$ 100, então vale. Tradicionalmente, é o Estado o responsável por criar, implantar e assegurar a validade das moedas (o que é feito principalmente pela cobrança de impostos, que só podem ser pagos com a moeda oficial). Depois, o dinheiro é repassado aos bancos, e, só então, às pessoas e às empresas.
Pois que um grupo de nerds ligeiramente descontentes com esse sistema resolveu criar um outro, que anulasse integralmente a interferência dos bancos e governos. "Eu simplesmente gosto da ideia de um sistema monetário descentralizado, que não é controlado por burocratas, banqueiros ou políticos", explica o líder do projeto de desenvolvimento do bitcoin, Gavin Andresen. Para fazer isso, eles desenvolveram uma economia completamente virtual. É como se todo o sistema monetário ficasse restrito às transações feitas por home banking: o dinheiro é transferido de uma conta para outra e nós sabemos que ele foi transferido porque os números da nossa conta ficaram maiores ou menores. Não precisamos ter contato com nenhuma pilha de notas de R$ 100 para acreditar que a transferência foi feita de fato.
O conceito do bitcoin foi criado no final de 2008 por um obscuro programador identificado apenas como Satoshi Nakamoto, nome tão comum no Japão quanto João da Silva é no Brasil (e, por isso mesmo, acredita-se que esse não seja o real nome dele - ou dela). A ideia era permitir transações financeiras diretamente entre duas pessoas, sem a necessidade da intermediação de um banco ou de um sistema de pagamento online, como o PayPal. Isso resultaria primeiramente em taxas mais baratas, já que, quando um banco calcula sua tarifa sobre transferências, ele já prevê a cobertura das fraudes consideradas inevitáveis (e aí os bons clientes pagam mais para compensar os maus). Além disso, também seriam eliminados todos os custos relativos à impressão, transporte e distribuição do dinheiro físico.
Funciona assim
Para ter acesso aos bitcoins, é necessário fazer o download de uma espécie de carteira digital. Ela cumpre o papel de conta corrente. As primeiras moedas geralmente são adquiridas nas casas de câmbio virtuais, sites que trocam bitcoins por dinheiro tradicional. Depois, se Fulano quiser comprar alguma coisa que Beltrano esteja vendendo em troca de bitcoins, passa suas moedas para a carteira digital dele. É como uma transferência entre contas. Cada conta tem um endereço (na forma de uma sequência de letras e números). Se eu vendo uma bicicleta para você por bitcoins, você entra na sua carteira digital (a que instalou no seu computador), digita o endereço da minha (já que eu também baixei o programa) e faz o depósito. Pronto. Se um site de comércio eletrônico aceita bitcoins como pagamento, por exemplo, vai estar lá o endereço da carteira digital dele. Simples.
Essa foi a parte básica do nosso tutorial. Agora vamos entrar um pouco na avançada. Para funcionar como moeda, o bitcoin precisa obedecer a dois critérios básicos. O primeiro é ser algo que muita gente queira. Bom, como não faltou quem gostasse da ideia de brincar com uma moeda que não tem governo nenhum por trás, esse critério foi atendido. Começaram a aparecer pessoas vendendo produtos reais em troca de bitcoins, só pela graça de possuir bitcoins.
Agora, o critério 2: uma moeda precisa ser mantida como um recurso relativamente escasso. Só assim ela mantém seu valor. O ouro, por exemplo, é escasso. E por isso mesmo "vale ouro". É isso que o bitcoin quer valer. Como? Mantendo-se como um recurso escasso, ué.
O sistema por trás do bitcoin prevê que o máximo de moeda circulando será de 21 milhões de unidades (por enquanto, existem cerca de 7 milhões - o equivalente a pouco mais de US$ 30 milhões). Os responsáveis por colocar moeda nova no mercado são os usuários que cedem a capacidade de seus computadores via internet para manter o sistema funcionando. Na prática, o sistema fabrica dinheiro novo e distribui para esses usuários. Por enquanto, eles ganham, juntos, até 50 bitcoins (BTCs, pela sigla oficial) de 10 em 10 minutos, mas essa quantia irá diminuindo gradativamente até bater em zero (o que deve acontecer por volta de 2035). Essa foi a forma encontrada para controlar a inflação, manter o valor da moeda estável. Deu certo.
Sobe
Na época do lançamento, 1 BTC equivalia a poucos centavos de dólar. Em junho deste ano, chegou a valer US$ 30 - uma valorização de (pausa dramática) quase 30 000%. Quem tinha comprado US$ 1 em bitcoins agora podia vender a mesma quantidade de BTCs por US$ 3 mil. Apesar de ter saído do papel ainda em 2009, foi apenas durante um discurso feito nesse ano que a moeda ganhou notoriedade. No início de junho, o senador americano Charles Schumer foi ao Congresso dizer que bitcoins estavam sendo usados para a compra de drogas. Mas, com seu depoimento, ele apenas chamou mais a atenção para o assunto (poucos meses antes, o mesmo Schumer resolveu pedir ao Congresso que proibisse o Fuzz Alert, um aplicativo para smartphone que avisava os motoristas da presença de controladores de velocidade. O número de downloads duplicou em poucos dias).
"Logo depois que ele falou (ainda que mal) sobre o bitcoin, muitas pessoas começaram a comprar por curiosidade nos Estados Unidos, aí o preço subiu e juntou um monte de gente pra minerar", explica Leandro César, administrador e um dos principais fomentadores da moeda no Brasil. Na segunda-feira, 6 de junho, um dia depois do discurso de Schumer, 1 BTC valia US$ 8. Quando o mercado abriu na manhã de sexta, dia 10, já valia US$ 28. Uma valorização de 250% em uma semana. Isso se a semana encerrasse na sexta de manhã, claro.
Desce
Ao meio-dia dessa mesma sexta-feira, 1 BTC inexplicavelmente passou a valer apenas US$ 20. "Como tinha muita gente minerando, o mercado ficou cheio de bitcoins, então os preços caíram e os especuladores saíram correndo para vender", conta César. Ele explica que o fato de o sistema ser automatizado não garante estabilidade: "Ninguém prevê a demanda, só a oferta. Ainda que só saia um bloco de 50 BTCs a cada 10 minutos, se um site de câmbio muito importante for invadido, a demanda pela moeda pode cair bruscamente".
O exemplo do site invadido não foi escolhido por acaso. Exatamente duas semanas depois da manifestação de Schumer, um auditor da MT Gox, o maior site de troca de bitcoins por dinheiro (existem vários), teve seu computador invadido. Os hackers tiveram acesso aos dados de mais de 60 mil contas, escolheram uma das mais polpudas e tentaram vender tudo que tinha nela. Foram impedidos porque havia um limite de 1 000 BTCs por dia, mas mesmo essa venda fez com que o valor da moeda despencasse de US$ 17,50 para alguns centavos. Como apenas uma conta tinha sido comprometida, a MT Gox conseguiu anular todas as transações feitas depois do ataque e restaurou o preço de US$ 17,50.
A principal crítica feita ao sistema era que, se alguma coisa acontecesse com o dinheiro dos usuários (e muitas coisas estavam acontecendo), eles não teriam a quem recorrer. Pois que no final de julho uma falha no sistema fez com que outro site de trocas, o Bitomat, perdesse todos os bitcoins dos seus usuários. Evaporaram 17 mil BTCs, ou US$ 220 mil. Era a prova prática de que os críticos tinham razão: não havia a quem pedir socorro. "Quando isso aconteceu, achei que ia acabar tudo", lembra Leandro. Quase acabou: o valor dos bitcoins caiu a praticamente zero. O mercado estava congelado.
E agora?
Surpreendentemente, a MT Gox, aquela mesma que tinha sofrido com ataques cerca de um mês antes, resolveu incorporar a Bitomat e indenizou todos os prejudicados. Mas mesmo essa intervenção não elevou o bitcoin ao patamar dos bons tempos - até o fechamento desta edição 1 BTC flutuva entre US$ 4 e US$ 5. "O valor do bitcoin hoje depende muito de o quão confiantes os especuladores estão de que a moeda se confirme como um meio importante de pagar por coisas no futuro. Isso faz com que esse valor seja muito volátil, e isso é ruim porque um preço volátil torna difícil que os comerciantes aceitem a moeda como pagamento", explica Andersen. Mesmo assim, hoje centenas de estabelecimentos aceitam bitcoins - a grande maioria sites de comércio eletrônico, mas que vendem de tudo.
Andersen, porém, não tem ambições muito maiores para a moeda. "Eu gostaria que o bitcoin ficasse `chato¿ - só um outro jeito de pagar por coisas online e que fosse tão fácil de usar quanto um cartão de crédito ou o PayPal são hoje", completa. Isso significa, basicamente, que o bitcoin até pode continuar existindo como método de pagamento alternativo ao dinheiro, mas nunca chegará a substituí-lo. A opinião vai ao encontro do que pensa Leandro César: "Não acredito que ele vá tomar o lugar do dinheiro tradicional. Deve se tornar uma moeda B, não uma moeda A".
Mas que ninguém duvide do BTC - ou da próxima moeda "de brinquedo" que aparecer. Quando se trata de futurologia em economia, convém não acreditar em todas as previsões. Ainda em 1999, o antropólogo Weatherford destilava seu pessimismo em relação a um certo sistema "ilusório" de transferências: "O conceito largamente debatido de o indivíduo realizar transações financeiras pelo computador doméstico usando linhas telefônicas demonstrou ser muito mais ilusório do que os tecnófilos e futuristas haviam previsto". É. Às vezes os futuristas acertam.
Fonte Super Interessante
submitted by allex2501 to BrasilBitcoin [link] [comments]

Fundação Bitcoin está falida, diz membro do conselho administrativo -IDGNOW-

A Fundação Bitcoin, organização que promove o desenvolvimento da moeda virtual, está “efetivamente falida” e demitiu grande parte de sua equipe, afirmou Olivier Janssens, membro da conselho administrativo da Fundação.
Outros dois membros, entretanto, disseram que a instituição não se encontra falida, apesar de afirmarem que a organização precisa passar por uma reestruturação.
A revelação de Janssens, que foi eleito para o conselho no mês pasado, é uma das mais recentes controvérsias acerca da fundação constituída nos Estados Unidos em 2012 como uma entidade sem fins lucrativos.
"A fundação quase não tem mais dinheiro e acabou de demitir 90% de sua equipe. Alguns dos funcionários vão trabalhar como voluntários", escreveu Janssens em um post no forum da Bitcoin Foundation. E acrescentou: "A Fundação Bitcoin odeia transparência. Se eles tivessem sido transparentes, então todos saberiam que não há mais dinheiro."
Janssens atribuiu os problemas financeiros aos dois anos de “gastos ridículos e tomadas de decisões impensadas”, acrescentando que o conselho tentou remediar a situação ao achar um novo diretor executivo.
Descrito como um milionário em bitcoins, Janssens escreveu que vai doar uma série de milhares de dólares para um fundo especializado em destinar seus esforços no desenvolvimento do núcleo da moeda digital e ainda será complementado por contribuições em crowdfunding.
Até o fechamento desta matéria, a fundação não retornou o pedido de mais informações sobre o post de Janssens. Mas Patrick Murck, diretor executivo, escreveu: “A fundação não está falida, mas a reestruturação é necessária. Olivier basicamente atropelou nossos anúncios e nosso relatório anual de 2014 está para ser lançado na semana que vem”.
Enquanto ele diz que “o dinheiro praticamente acabou”, Gavin Adresen, outro membro do conselho, escreveu em outra resposta que a “Fundação não está falida, mas o conselho precisa decidir se a decisão mais responsável é continuar com a organização em um tamanho reduzido ou dissolvê-lo".
Esta não é a primeira controvérsia da Fundação. Entre os seus membros fundadores está Charlie Shrem, que se declarou culpado da transferência de dinheiro ligado a Silk Road e Mark Karpeles, que presidiu o colapso do MtGox, até então a maior casa de troca de bitcoin.
Em maio de 2014, alguns membros da Fundação se desligaram da organização alegando frustração relacionada a eleição do então novo conselho.
FONTE IDG NOW
submitted by brasilbitcoin to BrasilBitcoin [link] [comments]

Repressão da China sobre o Bitcoin começa a ser preocupante.

Por Paulo Fiorio
17/12/2013
Repressão da China sobre o Bitcoin, começou a ser sério, de acordo com o Bill Bishop, colaborador do New York Times.
O Banco Popular da China emitiu nova proibição para que empresas processadores de pagamentos não façam negócios em troca de bitcoin, dessa vez o banco central Chinês chamou as empresas para reunião a portas-fechadas em Pequim, totalizando duas medidas contra o bitcoin em menos de duas semanas.
É um sinal, que a China está agora dificultando a vida do Bitcoin e de outras crypto-moedas, incluindo o Litecoin. “O PBOC não gosta das moedas virtuais e não quer que ele se torne mais uma bolha especulativa por aqui”. twittou Bill Bishop.
Após a notícia, o preço do Bitcoin no BTC China que é negociado em yuan chegaram abaixar 34%, enquanto a principal bolsa que opera em dólares a Mt.Gox ficou na faixa dos 700 dólares durante todo o dia, uma queda de 19%.
Se continuar o cerco as instituições financeiras, talvez os chineses só vão poder comprar seus bitcoins via mineradores ou de outras pessoas.
Eu, particularmente, acredito em mudanças no cenário cedo ou tarde, mas queira ou não, as restrições chinesas foi um duro golpe ao mercado, uma vez que a demanda chinesa foi o que ajudou o preço do bitcoin subir mais de 300% nos últimos meses.
fonte: http://www.bitcoinnews.com.b
submitted by PauloFiorio to BrasilBitcoin [link] [comments]

Crédito, débito ou bitcoin?

São Paulo - O empresário Rodrigo Souza, de 34 anos, mudou-se para os Estados Unidos em 2008 e colocou seu apartamento em Santos à venda no ano passado. Nada de excepcional, não fosse a única forma de pagamento aceita: bitcoin.
Como mora em outro país, essa é, segundo ele, a melhor maneira de receber o dinheiro sem pagar as altíssimas taxas de remessa ao exterior — que podem chegar a 10% do valor de venda — ou do imposto sobre operações financeiras (IOF), que no fim do ano passado chegou a 6,38%.
Essa transação não é novidade para Rodrigo. Sócio de uma empresa de vídeos publicitários de animação, a MindBug Studios, Rodrigo tem colaboradores espalhados por quatro países. Seus empregados no Brasil e na Argentina recebem o salário em bitcoins.
“Tentei pagá-los via PayPal (serviço online de pagamentos), mas as taxas sequestravam boa parte do dinheiro. Com o bitcoin, eles recebem o salário integral e descontam os impostos nos países onde moram”, diz. Rodrigo também aceita, e até prefere, essa moeda como forma de pagamento pelos serviços prestados por sua empresa. “O dinheiro chega mais rapidamente e eu me livro das taxas”, afirma.
O empresário usa bitcoins principalmente como forma de transferir dinheiro e mantém cerca de 20% do patrimônio na moeda virtual. “Como o valor é muito volátil, prefiro transferir o resto para dólar, por garantia”, explica.
O bitcoin é uma moeda que circula apenas online, sem a regulação de um banco central e com transações encriptadas, ou seja, transmitidas em códigos, para dar segurança ao usuário e manter anônimas suas informações. Cada unidade valia, no início de abril, 446 dólares.
No dia 19 de novembro a moeda havia chegado a 545 dólares. Dez dias depois, estava cotada em 1 023 dólares. Essa instabilidade é um dos principais argumentos dos economistas que afirmam que o “bit­coin é algo mais parecido com loteria do que com moe­da”. A frase é do professor de finanças da FGV Samy Dana.
“Uma moeda precisa armazenar e conservar valor, mas o bitcoin oscila mais de 20% em um único dia”, diz Samy. Outra questão é a falta de uma autoridade monetária. “Não existe uma agência central reguladora. Isso deixa o bitcoin praticamente à margem da lei”, diz o professor de finanças do Ibmec do Rio de Janeiro Nelson de Souza.
Entretanto, há quem defenda que o bitcoin seja a moeda do futuro. No fim do ano passado, Ben Bernanke, então presidente do Federal Reserve, o banco central americano, enviou uma declaração ao Comitê de Segurança Nacional do Senado reconhecendo que o bitcoin “pode ser uma promessa, particularmente se as inovações que ele traz forem capazes de promover um sistema de pagamento mais rápido, seguro e eficiente”.
O Departamento de Justiça americano também emitiu um co­municado oficial informando que as operações com bitcoin são um meio legal de troca. “O Departamento de Justiça reconhece que muitos sistemas monetários virtuais oferecem serviços financeiros legítimos e possuem potencial para promover um comércio global mais eficiente.”
No Brasil, só 52 estabelecimentos estão no coinmap, o mapa que mostra quem aceita bitcoins. Parece pouco, mas esse número dobrou desde o fim do ano passado. O engenheiro da computação de Belo Horizonte Eduardo Camponez, de 33 anos, deve aumentar essa lista.
Ele convenceu uma escola de inglês online a aceitar bitcoins. Eduardo começou a estudar o bitcoin no fim do ano passado e já usou a moeda virtual para comprar em sites como Amazon. Para ele, a principal vantagem dela é ficar livre de intervenções de governos e bancos.
Esse aspecto, no entanto, preocupa autoridades do mundo todo. Um bom exemplo disso foi o que aconteceu em 2010, quando o governo americano tentou fechar o WikiLeaks, site que vazou documentos confidenciais da Casa Branca sobre a guerra no Afeganistão.
Como punição, o governo americano proibiu que bancos e operadoras de cartões de crédito transferissem dinheiro ao site, que vive de doações. Foi então que o WikiLeaks começou a receber doações em bitcoins, que não podem ser bloqueadas nem rastreadas pelas autoridades.
Na rede, é possível visualizar quanto e quando o dinheiro foi transferido, mas as contas que o enviaram e o receberam permanecem anônimas. Com base nessa premissa, Charlie Shrem, criador da BitInstant, empresa de negociação da moeda virtual, foi preso em janeiro, acusado de um esquema de venda de bitcoins para usuários do Silk Road, mercado negro online que vende drogas e armas ilegalmente.
A origem do bitcoin é incerta. Acredita-se que ele tenha sido criado em 2008 por Satoshi Nakamoto, programador japonês de 64 anos radicado nos Estados Unidos. No mês passado, a revista americana Newsweek tentou confirmar a informação, que foi negada por Satoshi.
Mais misteriosa ainda foi a forma como, em fevereiro, a Mt. Gox, maior bolsa para troca de bitcoins no Japão, anunciou que 300 milhões de dólares na moeda virtual foram roubados por hackers. “Fraudes acontecem com qualquer moeda”, diz Eduardo Camponez.
O bitcoin é considerado por seus defensores uma resposta à alta carga tributária e ao excesso de regulação do sistema monetário. “Ela representa uma revolução sem precedentes no sistema bancário mundial”, diz o economista Fernando Ulrich, autor do livro Bitcoin — a Moeda na Era Digital. Já há centenas de criptomoedas criadas a partir do código-fonte do bitcoin.
A ripple, uma delas, já recebeu aportes milionários de investidores como o Google Ventures. Na dúvida, talvez seja bom se acostumar com a ideia de ter uma carteira digital. Ela pode se tornar uma realidade na sua vida num futuro bem próximo.
Entenda como são feitas as transações com essa moeda virtual
O que é: Uma moeda que só circula online, com transações feitas em códigos para proteger a identidade de seus usuários
Bitcoin: As transferências, mesmo que internacionais, são feitas diretamente entre os usuários, sem taxas.
Moeda convencional: Operações com cartões de crédito e débito ou transferências de dinheiro passam pelos bancos.
Como encher a carteira
Vendendo
• Vendendo produtos, em lojas e sites, e aceitando bitcoins em troca.
Comprando
• Comprando a moeda de outras pessoas em sites como LocalBitcoins.com ou em casas de câmbio especializadas.
Minerando
• Resolvendo problemas matemáticos gerados pelo software do bitcoin, usado para autenticar as transações com a moeda na internet. Quem soluciona primeiro os problemas é recompensado com um pagamento em bitcoins pelo serviço prestado aos demais usuários.
Essas pessoas são chamadas de mineradoras, porque “garimpam” seus bitcoins em vez de comprá-los.
Saiba como uma compradora nos Estados Unidos faria para adquirir com bitcoins um par de sapatos de uma loja na Itália e como a operação é validada pelos membros da rede
1 O primeiro passo é criar uma carteira virtual em sites como Coinbase e Multibit. Cada conta dá acesso a uma série de endereços, cada um formado por uma sequência de letras e números.
2 Quando visita um site de compras e decide adquirir um produto em bitcoins, a compradora recebe do vendedor um endereço.
3 O passo seguinte será entrar em sua própria carteira virtual e usar sua assinatura digital — uma espécie de senha — para autorizar a transferência para o endereço gerado pelo vendedor.
4 Cada transação gera um problema matemático, que precisa ser solucionado pelos mineradores para que a operação seja finalizada. Os mineradores emprestam a capacidade analítica de seus computadores para a rede e, como forma de bonificação, recebem 25 bitcoins por operação completada.
5 Para cada transação, é gerada uma chave pública — uma senha que permite a qualquer membro da rede verificar se a operação é válida, embora ninguém possa identificar os envolvidos nela.
Confira abaixo as vantagens e as desvantagens envolvidas no uso do bitcoin
Vantagens
• É possível enviar dinheiro para qualquer lugar do mundo sem pagar as altas taxas de transferência cobradas pelos bancos.
• Qualquer membro da rede pode ver quais transações foram feitas, o que reduz a possibilidade de fraudes. O valor e o horário das operações são registrados, mas os usuários permanecem anônimos — a menos que alterem seu nível de privacidade.
• No Brasil, só 52 estabelecimentos admitem bitcoins como forma de pagamento. Parece pouco, mas esse número já é o dobro do que existia até o fim do ano passado.
• É possível trocar reais por dólares ou qualquer moeda estrangeira sem incidência do imposto sobre operações financeiras (IOF), que chegou a 6,38% em 2013. Basta comprar bitcoins com moeda nacional e vendê-los na moeda desejada.
Riscos
• Não há a quem recorrer em caso de fraude ou quebra de uma casa de câmbio de bitcoins.
• Como não é uma moeda regulamentada, o valor do bitcoin pode oscilar mais de 100% em um dia. Sua alta volatilidade faz com que ele não seja indicado como investimento.
• Assim como qualquer coisa que só existe o mundo virtual, carteiras e contas podem ser invadidas por hackers.
• Ainda são poucos os estabelecimentos ou prestadores de serviços que aceitam essa moeda
Fonte EXAME
submitted by allex2501 to BrasilBitcoin [link] [comments]

Atlas Quantum troca Bitcoins de clientes sem aviso por suposta 'moeda'; acesso a usuários em plataforma segue bloqueado

submitted by MundoMoedas to bitcoinportugal [link] [comments]

Executivo troca Google por grande corretora de Bitcoin

Executivo troca Google por grande corretora de Bitcoin submitted by mateusti to BitcoinBrasil [link] [comments]

'Bitcoin é uma ferramenta de investimento e não apenas meio de troca', diz Zac Prince

'Bitcoin é uma ferramenta de investimento e não apenas meio de troca', diz Zac Prince submitted by MundoMoedas to bitcoinportugal [link] [comments]

Hacker consegue dados de clientes sem invadir exchange e pede 300 bitcoins em troca de silêncio

Hacker consegue dados de clientes sem invadir exchange e pede 300 bitcoins em troca de silêncio submitted by mateusti to BitcoinBrasil [link] [comments]

Como meio de troca, Bitcoin deve ser menos volátil

Como meio de troca, Bitcoin deve ser menos volátil submitted by mateusti to BitcoinBrasil [link] [comments]

Fernando Ulrich - Bitcoin Como Meio de Troca Não Faz Sentido

Fernando Ulrich - Bitcoin Como Meio de Troca Não Faz Sentido submitted by lucas6121 to BrasilBitcoin [link] [comments]

PF investiga se hackers de moro receberam bitcoin em troca de mensagens

PF investiga se hackers de moro receberam bitcoin em troca de mensagens submitted by mateusti to BitcoinBrasil [link] [comments]

Jogo do Bicho com Bitcoin - Troca de Bônus grátis

Não sei se alguns de vocês já viram, mas está rolando um site onde você pode jogar no bicho usando bitcoin e ganhar prêmios em Bitcoin.
Como eu estou sem $$ e eles dão R$5 por indicação, estou abrindo esse tópico para que nós possamos indicar uns aos outros. Se puderem ajudar esse pobre programador a ter uma chance de ganhar um prêmio quando forem se inscrever, serei eternamente grato.
Segue meu link de referência: http://www.bichogame.com/login?action=register&referral=bhfolbvj30ev6r3o3cvg
submitted by pqoiimm to BrasilBitcoin [link] [comments]

DIGITEX, 200 reais ha 20 mil reais de premio + Mercado Bitcoin libera saque e troca do Bitcoin Gold

DIGITEX, 200 reais ha 20 mil reais de premio + Mercado Bitcoin libera saque e troca do Bitcoin Gold submitted by Dinheirodigital to u/Dinheirodigital [link] [comments]

Bitcoin mentioned around Reddit: Mulher causa polêmica ao oferecer moradia em troca de serviços domésticos /r/brasil

Bitcoin mentioned around Reddit: Mulher causa polêmica ao oferecer moradia em troca de serviços domésticos /brasil submitted by BitcoinAllBot to BitcoinAll [link] [comments]

Como trocar Dolar por Bitcoin na PAYEER NOVADAX TROCA DE CRIPTOMOEDAS POR REAIS MUITO FÁCIL SÓ SEGUI AS DICAS GRÁTIS Como Trocar ou Vender Dogecoins por BTC 2017 Altcoins e Bitcoin Crypto Tchaps - YouTube Como converter Bitcoin ou qualquer Criptomoeda para ...

Esse é o mais recente escândalo do mercado de trocas de criptomoedas de código-fonte aberto; no ano passado, a companhia de trocas de bitcoins, My Coin, foi exposta como fraudulenta, o que custou até 378 milhões de dólares a seus investidores. OneCoin: Estrutura centralizada, Hacking Challenge Comprar Bitcoins com cartão de crédito agora é quase tão simples quanto encomendar coisas da Internet. Existem várias trocas altamente respeitáveis que aceitam pagamentos com cartão de crédito por bitcoins, permitindo que qualquer pessoa comece a negociar a criptomoeda ou a usá-la como uma alternativa progressiva aos sistemas de pagamento estabelecidos, sem atrasos ou obstáculos. Principais Trocas Junte-Se Às Mãos, Disown Mtgoxblockchain. Informação Emitiu Uma Declaração Conjunta Em 24 De Fevereiro De 2014 - 10:00 Da Tarde, Abordando A Questão Com O Monte. Gox.Esta Trágica Violação Da Confiança Dos Usuários Do Monte. A Gox Foi O Resultado De Ações Abomináveis De Uma Empresa E Não Reflete A Resiliência Ou O Valor Do Bitcoin E Da Indústria Da Moeda ... Trocas mais avançado opções de ordenação, mas quantidade moeda nacional disponível para comprar bitcoins é limitada para as ordens de licitação colocaram outros comerciantes. Confira a lista abaixo, para trocas de Bitcoin respeitáveis e tomadas. TL; dr; Trocas de Bitcoin igualar-se as pessoas que querem comprar e vender bitcoins e ... As 6 principais trocas de Bitcoin e Crypto de prestígio do mundo; No artigo de hoje, compartilharei com você as 6 principais trocas de criptografia do mundo que são interessadas e usadas pela comunidade vietnamita. Com essas trocas, você pode negociar, comprar e vender livremente com muitas criptomoedas diferentes. ...

[index] [1601] [10958] [9910] [10478] [5804] [3783] [2803] [5904] [6069] [10915]

Como trocar Dolar por Bitcoin na PAYEER

Bolsa de Valores na Prática - Operando Ao Vivo com Rodrigo Cohen (17/04) Rodrigo Cohen 4,033 watching Live now Ganhe mais de 500 dólares apenas fazendo troca de moedas (TESTADO E APROVADO ... Como Transferir Bitcoins para a Binary.com via Mercado Bitcoin - Deriv.com - Duration: 10:20. Mr. ... #1 Payeer - Transferência e Troca de Moedas pela Payeer - Duration: 6:55. el cajero localizado en miami en una tienda de instrumentos, nos permitio cambiar nuestros bitcoins por dolares!! TOP 5 MELHORES EXCHANGES DE BITCOIN E CRIPTOMOEDAS 2019/2020 • Binance: https://cryptotchaps.com/link/binance 🚨 APOIO: • Curso Crypto Trad... Bitcoin, criptomoedas, blockchain... você está preparado para a era das moedas digitais? Seja bem vindo ao canal Crypto Tchaps, meu nome é Douglas Malvaccini...

https://arab-binaryoption.usabinaryoptions.today